sábado, 11 de junho de 2011

And The Oscar Goes To....

Demorei pra voltar, né gente?
A correria é graaaannndeeee e eu ainda vou conseguir dar conta de tudo dentro do mesmo dia.. juro que vou!!! Rsss...

Mas agora, como prometido, vamos completar aquele selinho que eu publiquei no último post: 7 coisas sobre mim...hummm...

1. Sou completamente desastrada! Tenho uma coleção absurda de tombos e pequenos desastres...

2. Nunca quebrei nem um ossinho sequer, mas já fui mordida por cabrito, macaco e, claro, diversos cachorros, inclusive nos lugares mais "inusitados"...heheheh...

3. Sou ótima para preparar prato para dietas: o que eu cozinho NINGUÉM come!

4. Sou uma mãe tão chorona que me emocionei até quando a Sophia foi visitar a casa do coelho num passeio da escola!

5. Assim como a Sophia, nasci prematura de 7 meses..

6. Nós duas temos o mesmo anjo-da-guarda: Ariel!

7. E..sei lá...  vale dizer que a Sophia é o grande amor da minha vida? Rsss....


E agora vamos aos nomes... The Oscar goes to:

1. Papai do blog Fábricando Pensamentos,
2. Mamãe do blog O Pequeno Sonhador,
3. Jana do blog Mãe de Guilherme,
4. Lara do blog Personalize by Lara Urso,
5. Kelly do blog Casinha pra Viver,
6. Angi do blog Eu me desenvolvo e evoluo com meu filho,
7. Sonia do blog Trocando Idéias,
8. Gabi do blog Eu e minhas três meninas,
9. Aretusa do blog Doce de Sophia Leite,
10. Paola do blog Antonella e sua Boneca.

Beijos para todas!
Ju.

terça-feira, 7 de junho de 2011

E mais dois selinhos!



 É isso mesmo! Mais 2 selinhos... esse eu ganhei da Talitah do Blog Liten_ Moda em sonhos e da Ci do blog A arte de ser mãe
 Obrigada meninas!! Eu to me achando com tanto carinho!! Hahahahah!!!! 

Esse selinho tem uma brincadeira: escrever 7 coisas sobre mim e escolher 10 amigas queridas para presentear. E enquanto estou aqui pensando em 7 coisas pra escrever sobre mim, a Sophia está aqui ao meu lado com cara de pidona, fazendo biquinho porque quer a mãe para fazê-la dormir... então... vou pedir licença para postar amanhã as coisinhas sobre mim e escolher as amigas que vão receber o selinho. Acho que as mães me entendem, né?

Beijos a todas e atá amanhã!

Ju.

Mais um selinho...


 Esse selinho eu ganhei da Aretusa, do blog Doce de Sophia Leite em agradecimento pelo post sobre aleitamento materno. Fiquei mega feliz com o presente, mas presente mesmo foi ter tido a chance de escrever sobre uma causa tão linda e tão importante!
Obrigada Aretusa! Pela oportunidade de dar meu depoimento e pelo selinho!!!

Beijos,
Ju.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Oba!!! Ganhei 1 selinho!!!!

 Oba!!!! Ganhei um selinho!!!!

 Olhem só que mega fofo esse selinho que ganhei da Kelly do blog Casinha pra Viver! O selinho é tão lindo e tão delicado quanto a dona!
 Muito obrigada, querida... fiquei MUUUITOOOO FELIIIIZZZZZ!!!!

 E, atendendo ao pedido da Kelly, vou dar o selinho para 10 blogs que eu amo de paixão! Lá vai:

 1. Rejane_ Vestido de Rodar
 2. Talitah_  Liten
 3. Du_ Prá você, eu fiz assim
 4. Nanci_ Alaníssima
 5. Monise_ Tomate Cereja
 6. Carol_ Modinha Pitchú
 7. Dani_ Criança bem vestida
 8. Adri_ Caixinha da Adri
 9. Marcela_ Colacorelinha
10, Kelly_ Estimula Kids

 E agora aí vai a regra: quem o receber, deve repassá-lo para outros 10 blogs, dizendo de quem ganhou e assim por diante... simples assim!


 Com amor,
  Ju.

Doe uma vida!

Dia 19 de maio é o Dia Mundial de Doação de Leite Materno.

A campanha é linda, de extrema importância e, lendo sobre o assunto, lembrei-me de quando Sophia nasceu...

Minha filha nasceu de 7 meses, com 1,415Kg e 38 cm. Foram 31 dias de UTI Neonatal em que estive incansavelmente ao lado dela. Pra mim não havia mais dia ou noite... os dias eram divididos em horas em que eu estava ao lado dela e horas em que eu era obrigada a ir pra casa dormir... sem ela!

Ela  nasceu, chorou (um dia conto melhor essa história), a pediatra a trouxe para que eu a visse e correu com ela para a incubadora. Depois disso, só pude vê-la depois de 24hs do nascimento, entre as paredes daquela "caixinha" que guardava minha vida, Sophia.

Enquanto eu ainda estava internada, em uma das visitas à UTI, ao vê-la, comecei a passar mal. Pedi ao pai dela que me tirasse daquele lugar:

_ Mas acabamos de chegar!
_ Por favor, me tira daqui...

Saímos e eu desabei! Chorava compulsivamente e pedia a ele que me deixasse pegar minha filha no colo e amamentá-la. Entre soluços, eu dizia que não era justo o que estava acontecendo: estava tudo indo bem quando, de repente, me internaram em um hospital onde passei 15 dias tomando soro, tentando segurar a gravidez... e, em um dia comum, como todos os outros desde a internação, me colocaram em cima de uma maca, tiraram minha filha de dentro de mim e a colocaram dentro de uma caixa, longe de mim, dos meus braços, do meu carinho... sem nem me pedirem permissão!
Aquilo tudo era uma invasão, uma violência pra mim... eu não estava preparada para parar de senti-la mexer dentro de mim, para me separar daquele serzinho que eu nem conhecia direito mas já amava tanto!

Eu queria, tinha de amamentá-la... mas não podia!

Dediquei os primeiros dias da vida da Sophia a prover o leite que a alimentaria. Chegava no hospital entre 7h e 8h da manhã e passava todo o dia estimulando, tirando o leite que ela iria mamar. A enfermeira colocava aquele leitinho pela sonda: começou a mamar 3mls e aumentava 1 ml a cada dia.

Cada gota de leite que saía dos meus seios era importante... eu sabia que aquelas gotinhas de leite fariam com que a minha filha sobrevivessem a tudo aquilo: sondas, incubadoras, agulhas e a distância física entre nós.

Em algum momento, no meio do caminho, minha produção de leite diminuiu tanto a ponto de não conseguir tirar nem 10 mls para uma mamada... e, nesse momento, senti que não era capaz de prover o alimento dela. E, como o hospital não contava com o banco, meu leite foi substituido pelo NAN. E eu me sentia incapaz de sustentar minha filha... incapaz de garantir ao menos o alimento que a faria ganhar peso para irmos para casa e acabar com aquele pesadelo. Apesar de todas as tentativas das enfermeiras em me tranquilizar, eu sabia que o ganho de peso dela atrasou pela falta do meu leite.. mas eu consegui recuperar a produção e alimentá-la...

O menor peso de Sophia foi 1,320Kg. Em 28 de outubro de 2006, Sophia saía do hospital com 1,870Kg e o meu orgulho em saber que minha guerreira ganhara 550 gramas em 31 dias, graças àquelas gotinhas de leite que eu, incessantemente, tirava de mim para dar a ela, a vida!

A Aretusa divulgou a campanha no blog. E eu estou aqui, dando esse testemunho pra dizer:

Seu leite poderá salvar a vida de centenas de bebês em UTI´S neonatais!Coloque o selo da campanha em seu blog e site e ajude-nos a fazer do Brasil o maior país doador de leite materno do mundo!

Informações sobre a ordenha do leite materno aqui.
Informações sobre bancos de leite na sua cidade aqui.

Se você puder doar ou conhecer alguém que possa, colabore com a campanha!

Bjs,
Ju e Sophia.

sábado, 14 de maio de 2011

A mal-criação

Sophia fazendo mal-criação:

_ Pára com isso! Eu já te disse que eu não gosto. Na próxima vez em que fizer mal-criação eu vou te colocar de castigo até você aprender!!
_ E quando eu aprender eu vou poder sair, mamãe?
_ Sim... quando você aprender pode sair...
_ Ah! Mas eu aprendo rapidinho!!!

terça-feira, 10 de maio de 2011

Vote em mim!!!!

Olha só... estou participando do concurso Pais e Mães blogueiros da Revista Crescer.. vote em mim!!!!

Fácil, fácil. Basta clicar na imagem abaixo!



Obrigada!
Beijos,
Ju

sábado, 7 de maio de 2011

A metamorfose

 A vida acontece por um milagre. E também por um milagre, nos tornamos mães...
 Sim, nos tornamos mães desde o momento da concepção... mas a gestação é como uma metamorfose, é o momento em que nos preparamos para sermos a pessoa mais importante da vida do ser que amaremos para sempre, indefinidamente e definitivamente!
 É como estar num casulo. Aquela simples lagarta dentro de um casulo, esperando e preparando-se para o grande momento de tornar-se a mais bela das borboletas! E, então, um turbilhão de transformações acontece: o corpo muda, os sentidos se aguçam e, de repente, somos capazes de sentir até o mais sutil dos odores a metros, quem sabe até, quilômetros de distância.
 E, por falar em sentidos, sentimos.. e como sentimos! Sentimos mais sono, mais vontades, mais medo... nos sentimos mais fortes e, ao mesmo tempo, a mais frágil das criaturas! Sentimos que somos santas, imaculadas, intocáveis, e talvez esse sentimento seja um prenúncio daquilo que seremos para nossos filhos, aconteça o que acontecer, durante o resto de nossas vidas...
 Sentimos enjôos, dores..  e nos sentimos capazes de amar como nunca sentimos antes. E amamos tudo e todos a nossa volta. De repente passamos a nos amar mais e a nos cuidar melhor. Fazemos ginástica, caminhada, comemos mais frutas, menos doces (ou, pelo menos, tentamos!), comemos espinafre, couve, pepino e passamos a provar todas aquelas "receitinhas milagrosas" que fazem bem para isso ou aquilo.
 E choramos muito, por qualquer motivo. Choramos de emoção por aquele beijo na novela, choramos porque queremos carinho, choramos, principalmente, sem nem saber por quê.
 E eis que chega o dia da metamorfose! O dia com o qual passamos dias e dias sonhando acordadas. O grande dia em que nunca mais seremos apenas uma lagarta comum e nos transformaremos numa linda e colorida borboleta, que será vista e reconhecida por onde passar. O dia em que deixaremos para trás tudo aquilo que conhecíamos como "nós mesmas" para nos transformarmos numa completa e doce desconhecida. Ganharemos vida nova e uma nova identidade. Deixaremos de ser a "fulana de tal" para sermos a "mãe de alguém" e, por mais estranho que possa parecer, morreremos de orgulho disso!
 E sabem qual é o momento exato em que o casulo se rompe e nos tornamos, enfim, uma borboleta? No momento em que escutamos o primeiro chorinho do nosso bebê... nesse momento, nos tornamos, para sempre, mães!

 Feliz Dia das Mães a todas as borboletas...digo, a todas as mães!

Sophia, você trouxe  vida à minha vida e eu te amo de uma maneira tão incontrolável que não sei colocar nas palavras, mas sei que você entende quando eu te olho...
 Obrigada por me escolher,
 Mamãe.


  

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Foi por isso que eu te escolhi...

 Muitos podem até não acreditar.
Eu já escrevi sobre isso antes, quando a Sophia me descreveu, com suas palavras simples de criança, como veio parar na minha família (leiam AQUI).
Hoje ela estava me chamando no banheiro e eu ocupada:

_ Mãe!
_ Já vou, filha.
_ Mãe vem cá!
_ Peraí!!
_ Julianaaaa!!!!

Corri até o banheiro brincando com ela:

_ Calma que eu vou procurar essa Juliana pra você!!!
_ Hahahaha!!! Juliana é você!
_ Quem?
_ Você é minha mãe!! Eu te escolhi...
_ Sério, filha?
_ Você não lembra, mãe? Quando a gente estava lá no céu, tinha muitas caras pra escolher e eu escolhi a mais bonita! E era você...

Nessa hora eu já estava engolindo o choro...

_ É mesmo?
_ É verdade! Juliana... olha que nome mais bonito... parece nome de princesa.
_ Mas por que você me escolheu?
_ Porque você é a melhor mãe do mundo!!!

Ai, gente... eu não mereço tanto!

sábado, 23 de abril de 2011

A Fera e a Bela

 Ontem descobri que no canal 203 da Net tem games pra gente jogar com o controle remoto. Achei o jogo bloquis... aquele em que as peças vão aparecendo na tela e a gente tem que encaixar até formar fileiras, sabe?
 O vovô se meteu a jogar e foi uma verdadeira catástrofe: 75 míseros pontos! Peguei o controle e, como sempre fui viciada neste jogo, cansei de jogar já no nível 6 com 5.000 pontos. Enquanto fazia pontos, a Sophia vibrava:
_ Nooossa, mãe! Você tá ganhando tudo, hein?!
Então, resolvi me gabar:
_ A mamãe é fera!
E ela respondeu, sem nem pensar:
_ Não, mamãe, você é Bela!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sandboard com o vovô

 Feriadão com direito a vovô e tudo!
 Sophia pulou de alegria quando soube que ficaríamos 5 dias juntas (sem escola e trabalho) e que, de quebra, vovô viria nos visitar...
_ Vovó, quantos dias o vovô vai ficar?
_ 4 dias, querida!
_ E se fosse "carenta" anos? Ia ser bom, né vovó?

Bom, vovô (ainda) não vai ficar "carenta" anos, mas vamos nos divertir muito!! Ontem foi dia de Barbie no shopping e de pintar ovinhos para o coelho da Páscoa (em breve, post sobre os ovinhos). Então ela disse:
_ Ai, que vida boa a nossa, né mamãe?

Hoje o dia foi melhor: Sandboard nas dunas da Joaquina!!!!!

video

 Sandboard é bom, mas com o vovô fica muuuito mais engraçado:

video

 Tudo, né gente? Hahahahah!!!!!
 Depois do calor quase insuportável das Dunas, passeio na beira da Lagoa com o vovô e volta pra casa pra comer o bacalhau da vovó... pra quê outra vida??? E hoje Sophia repetiu:
_ Hoje a minha vida também tá muito boa! Estupenda!! (Essa ela aprendeu no desenho da Angelina Balerina!).
 Só me resta concordar com ela...rsrsr

segunda-feira, 18 de abril de 2011

A Síndrome da Alienação Parental

Dia desses assisti a uma reportagem que falava de um pai brasileiro preso nos EUA acusado de abusar dos filhos. A reportagem também falava de outros pais (americanos), que foram presos pela mesma acusação, já inocentados. Os filhos do brasileiro, assim como os dos outros pais inocentados, frequentavam o consultório da psicóloga Linda Bernnardo, que induzia as crianças a mentirem e acusarem os pais. A psicóloga perdeu a licença para trabalhar, desapareceu. Um dos pais americanos inocentados possui, hoje, a guarda da filha que foi forçada a acusá-lo, mas o brasileiro continuava na cadeia.
A "Justiça" americana, diante da pressão brasileira, tentou corrigir o "equívoco" estipulando para o pai brasileiro uma fiança: 75 milhões de dólares! Piada? Não.. é a mais pura verdade!
Pela lei dos EUA o preso deve ser julgado em 150 dias, mas o brasileiro está há mais de dois anos e meio na prisão.
O que mais me entristece é que se esse fosse apenas um caso clássico de preconceito, seria triste. Mas a mãe dessas crianças cometeu o que, na minha opnião, é um dos erros mais graves que se pode cometer: a Alienação Parental.
É mais comum do que se imagina e muito mais grave do que parece ser. Acontece quando pais se separam e, conscientemente ou não, usam seus filhos como moeda de troca para atingir o outro. Usam da influência que têm sobre os filhos para jogá-los contra o pai ou mãe. Fazem com que os filhos mintam, enganem, traiam ou odeiem seu pai ou mãe. Cruel, não?
Hoje mesmo estava conversando com uma mãe, uma mulher simples, sem muitos conhecimentos, e ela me dizia que seu filho só passou a frequentar a casa do pai aos 11 anos porque o pai foi ausente durante toda a sua infância, nunca se importou. Então ela me disse que precisava fazer o filho entender que o pai não presta, mas o filho não acreditava e idolatrava o pai.
Eu entendo essa mãe. Muitas vezes nos parece injusto o afeto que o filho sente por um pai omisso quando nós, mães, damos a vida, a juventude, todo o nosso dinheiro, nosso tempo para criar um filho que não fizemos sozinhas. Passamos noites e noites acordadas, mudamos o estilo de vida, as prioridades, as nossas necessidades, enquanto o pai separado parece não entender que o que acabou foi apenas o casamento.
Calma, papais.. não estou generalizando. Estou falando de uma situação pontual.
Mas o lado bom de tudo isso, mamães, é que os pais nunca serão mães! E se o filho idolatra o pai ausente é justamente pelo fato desse pai ser uma novidade na vida dele. Eu prefiro mil vezes que minha filha idolatre o pai do que a mim. Não quero estar num pedestal, quero estar ao lado dela enquanto eu existir... quero ser sua amiga, sua confidente, sua mãe! Quero que ela esteja acostumada com a minha presença a ponto de enjoar de mim. Não tem problema.
Assim, vou saber que dei valor, que participei de cada momento de sua vida e quando ela amadurecer, quando estiver num daqueles momentos em que a gente relembra nossa própria vida como se fosse um filme, ela vai me ver em todas as cenas.

sábado, 16 de abril de 2011

Hoje já é amanhã?

Mais uma tirada da Sophia:

Ontem ela quando acordou, ela me perguntou:
_ Mãe, hoje já é amanhã?
_ Filha... hoje é hoje e amanhã é amanhã...
_ É que ontem a minha professora disse que amanhã a gente vai pintar a cesta do coelhinho da Páscoa... então, mãe, hoje já é amanhã?
_ Ah..sim, filha! NESSE CASO, hoje já é amanhã!

sábado, 9 de abril de 2011

Desabafo

Gente, não aguento.. vou ter que falar!

 Na verdade, esse post é meio que um desabafo sobre uma situação que (até onde sei) só acontece em Florianópolis mesmo!
 No final de abril vai acontecer o Donna Fashion que, para quem não sabe, é o "SPFW" de Florianópolis... pois bem! Quem conhece um pouquinho da Sophia sabe o quanto ela gosta de "modelar", como ela mesma diz. Acabou de voltar do SPFW e está maravilhada com as passarelas. Ela se encanta com esse mundo, e só dá para entender o quanto isso a satisfaz, quando vemos a afinidade que ela tem com as câmeras, com todo o aparato, enfim... com a moda! Foi depois de um pedido dela e de vê-la tão realizada frente às câmeras, que decidi permitir e apoiar minha filha a fazer aquilo que a deixa feliz e, enquanto algo a fizer feliz, vou estar ao lado dela. Se um dia nada disso mais fizer sentido para ela, se deixar de ficar divertido, vamos, juntas, procurar a felicidade dela onde estiver.
Mas, voltamos ao desabafo:

Como já disse, o Donna Fashion está para acontecer. Soubemos que havia uma marca inscrevendo crianças que gostariam de participar e fomos nos informar. Para participar, é necessário que os pais preencham autorização assinada, com firma reconhecida, certidão de nascimento autenticada em anexo, tudo na mais perfeita ordem... e também é preciso que os pais se dirijam até a loja para COMPRAR o look com o qual a criança irá desfilar! Como assim?????
Para aqueles que já conhecem esta prática, pode até parecer uma coisa normal, sem importância, mas vamos analizar a situação?
Em qualquer lugar do mundo, uma marca promove um desfile para apresentar para seus clientes sua nova coleção. Todo um aparato é montado para que a imprensa esteja presente e coloque na internet, jornais, revistas, etc, etc, a nova coleção, com o fim exclusivo de vender, certo?
Para isso, contrata-se modelos, que cederão sua própria imagem àquela marca. Na maioria dos lugares do mundo, a marca paga a esse modelo pelo direito de utilizar a sua imagem por um determinado período. Em outros lugares, não se paga nada: permuta-se a divulgação da imagem de um modelo pela divulgação do produto daquela marca.
Mas aqui em Florianópolis, o modelo é quem tem que pagar para a marca utilizar a sua imagem! Como é isso?? Então, ao invés de eu "vender" a minha imagem, eu tenho que pagar para uma determinada marca usar a minha imagem para promover o seu produto e, ao utilizar a minha imagem possa vender e vender e vender... às minhas custas? E, assim, ela ganha três vezes:

1. Quando vendeu o look para mim.
2. Quando usou a minha imagem.
3. Quando, através da minha imagem, realizou outras vendas!!!

 Sabem o que é pior? Sophia, como muitas outras filhas e filhos por aí, AMA desfilar. Quer desfilar. E aí eu devo fazer o quê? Sentar com a minha filha de apenas 4 anos e dizer:

_ Olha, minha filha, a mamãe não acha nada ético a prática dessas marcas aqui em Florianópolis, que querem nos vender o direito de desfilar para elas, enquanto elas é quem deveriam nos pagar para utilizar a sua imagem para que outras pessoas possam se espelhar em você e comprar o produto que elas vendem e, assim, fazer com que aquela marca ganhe dinheiro nos lesando, querida!

Ela, com certeza, não entenderia... Sophia, então, vai desfilar...

Mas, será que só eu penso assim, ou tem alguma coisa errada nessa situação?

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Voltei...

Olhem só que coisa legal: recentemente fui pra São Paulo, participei de um encontro de blogueiras (me apaixonei perdidamente por todas!) e, mesmo estando inativa com o blog, ganhei seguidoras novas! Não é tudo?
A Du, do Prá você, eu fiz assim..., achou meu bloguisinho escondido, leu, seguiu e me disse que estava esperando mais postagens. Então, prometi prá ela que voltaria a escrever... cá estou eu!

Mas hoje eu não vou falar da Sophia... vou começar dando uma notícia que já está "batida", mas para os que ainda não sabem, VOU SER TITIA DE NOVO E, DE QUEBRA, VOU SER MADRINHA!!!!

Em homengem à minha sobrinha (o)...rsrsrsrs... queria muito poder me abster de opnião e expectativa, mas tenho mesmo certeza de que será uma menina..hehehehe... bom, voltando:
Em homengem a esse novo baby da família, vou contar a mais nova do Gabriel: ontem ele chegou em casa e pediu pra mãe abrir a boca. Ela abriu! Então, ele colocou o olhinho bem perto da boca dela, tentando ver alguma coisa. E ela perguntou:
_ Filho, o que você está tentando fazer?
_ Nada, mãe.. eu só queria ver o cabelinho do bebê...

Posso com ele? Rsss...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...